terça-feira, 18 de novembro de 2008

Desigualmente perfeito -




Em um final de tarde eu estava em um banco na beira do mar, foi então quando olhei para o céu e vi aquela imagem inexplicável, perfeita, praticamente indescritível. O mar parecia calmo, com ondas leves e fracas tom cor azul claro, o céu um azul quase igualável ao do mar com nuvens laranja fosforescentes, gaivotas voavam em uma sincronia maravilhosa. Tudo aquilo estava em uma sintonia perfeita, em um conjunto harmônico de tremenda energia positiva, foi quando eu dominada por aquele momento comecei a correr alegremente sem saber ao menos o sentido de tal reação.

Ao final de toda aquela alegria e entusiasmo, eu me entristecera, pois eu não poderia guardar aquele momento para sempre, achava que as lembranças não bastavam, que fotos não satisfaziam, que contar aos outros não iria voltar aquele momento, escrever não me levaria verdadeiramente aquele lugar.

Foi então que a noite chegou a lua surgiu dourada, vagarosamente por trás das ondas, refletindo no mar, as belas nuvens embranqueceram, e as estrelas começaram a brilhar, com ondas grandes e sinuosas o mar mostrava sua força.

Dias e dias se passaram, e a natureza cotidianamente se encarregava de nos mostrar mais um lindo cenário, e agora eu sei que a perfeição das coisas não esta nas suas igualdades mais sim nas suas diferenças, e também sei que é preferível não repetir os cenários e em vez disto ganhar um novo a cada dia.


Ass: Iasmin Cavalcanti

6 comentários:

alana disse...

iaas que liindo, nem acredito que foi você que escreveu!

Anônimo disse...

muito lindo *_*
parabéns.

Anônimo disse...

parabéns pela iniciativa,
dona ias caval.
fer- su brima

Lucas Moratelli disse...

Gostei do texto. :)

Consegui imaginar a paisagem.

As coisas precisam mudar, sejam as paisagens ou as pessoas que a observam.

Um Abraço.

I want it all ~ disse...

bEEM legal :*

Thiago disse...

Que lindo este texto, da pra imaginar exatamente este dia.
parabéns.
beijos